• Digite seu email de login para enviarmos sua nova senha:
Você está aqui: Principal

Sexta-feira, 19 de dezembro de 2014, 07:20

Super Rádio Tupi

NO AR

No Ar
Das 06:00 às 09:00
Próximos Programas

Programa Haroldo de Andrade

09:00 às 12:00

Patrulha da Cidade

12:00 às 13:10

Show do Heleno Rotay - Palavra Amiga

Atualizado em 28 de agosto de 2014 às 16:30

Palavra Amiga - 28/08/2014

Por: Maria Lidia

Boa tarde Heleno e a todosda família Tupi. Eu tenho trinta e três anos, sou casado e tenho um casal defilhos ainda pequenos: um menino de seis anos e uma menina de apenas trêsaninhos. Para mim a minha família sempre esteve em primeiro lugar. Eu amo aminha mulher e os meus filhos, somos parceiros e vivemos felizes. Pode parecerbobagem, mas apesar de ninguém saber o que será o dia de amanhã, nós noscasamos com o compromisso de viver juntos a vida inteira, por isso, sempreconseguimos nos entender, mas dessa vez está muito difícil. Um grande problemaque não é nosso acabou balançando o nosso casamento, confesso que eu estoumuito decepcionado. Eu não pensei que eu você viver para ouvir o que eu ouvi daminha mulher. Heleno eu sou filho único, por isso me casei e resolvi ficar porperto. Eu moro numa casa de fundos, independente, no mesmo terreno dos meuspais. Eu fui criado com muito rigor,  mastambém com muito carinho. Os meus pais sempre fizeram questão de me mostrar oque estava errado sem passar a mão na minha cabeça, mas quando eu praticava umaboa ação, eles procuravam valorizar o que eu fazia. E assim eu crio os meusfilhos, se deu certo comigo, tem que dar certo com eles  também. Mesmo sendo filho único, eu nunca mesenti sozinho, eu cresci num lar feliz, com muito amor e respeito. Eu sei quenão existe casal perfeito, mas eu nunca presenciei uma briga séria entre eles,eu sempre me orgulhei da união dos meus pais. Hoje, casado, tento passar praminha família o que aprendi com os meus pais. A minha mãe é professora doensino médio, ela é muito calma, tranquila, conselheira, é tipo mãezona de todomundo e o meu pai é funcionário público, tem bom emprego, e nunca deixou faltarnada pra nós. Eu cresci acreditando nessa felicidade mas agora vejo que foiilusão. Essa semana eu vi mais de trinta anos de união que eu acreditava sermodelo, perder totalmente o significado. Eu estou sem chão, sem referências,tentando acordar de um pesadelo e pedindo a deus forças para conseguiraguentar. Heleno a minha mãe já podia está aposentada, ela começou a trabalharmuito cedo, já tem o tempo necessário para está em casa descansando, mas,segundo ela, por amor a causa pretende continuar até enquanto puder e trabalhanuma escola pública à noite, num lugar perigoso, sem necessidade. Há muitotempo o meu pai vem pedindo para ela deixar essa escola, o colégio é longe danossa casa, ela sai de lá tarde, mas ela não ouve, insiste em continuartrabalhando. Essa semana deu aí na Tupi que o local onde fica a escola estavatendo problemas, na mesma hora eu peguei o meu carro e fui lá na escola buscara minha mãe. Ainda bem que eu fui sozinho, não quis preocupar o meu pai. Eudeixei o carro do outro lado da rua e fiquei em pé ao lado do portão, mas com otumulto da saída a minha mãe saiu com os alunos, não me viu e quando eu iachamá-la, um professor chamou primeiro e eu estranhei a forma com que ele faloucom ela. Ele fez um sinal do tipo, “vamos embora” e ela rapidamente atendeu. Eupeguei o meu carro e saí. Eu não tinha intenção de segui-los, mas o caminho devolta era aquele e de repente eles entraram num motel. Eu fiquei horrorizado,estarrecido, cheguei em casa sem chão, revoltado. Eu disse a minha mulher que aminha vontade era de ter entrado naquele motel só para perguntar para a minhamãe, onde estava a criatura íntegra e correta que me criou com tantos valores.Eu queria perguntar pra ela se a lei dela é a do “faça o que eu falo e não oque faço”, e na mesma hora a minha mulher tentando me acalmar, tomou as doresda minha mãe. Ela me disse que eu não tinha que julgar a minha mãe, porque issonão era problema meu. A minha mulher falou que se na condição de mãe, ela nuncadeixou a desejar, como mulher ela tem que prestar contas apenas ao meu pai. Eainda disse que ela deve ter os seus motivos dela para fazer o que fez. Heleno,ouvir isso da minha mulher foi o fim pra mim. Qual motivo levaria uma mulhercasada está no motel com outro homem? Se ela disse isso é porque ela acha quede alguma forma a minha mãe possa ter razão e se ela pensa assim, amanhã oudepois ela pode fazer isso comigo também. Eu estou muito decepcionado e cheiode dúvidas, e sem saber o que fazer, euresolvi te escrever, porque eu preciso de ajuda, eu preciso muito ouvir umapalavra amiga.




Compartilhar no Delicious Compartilhar no Google Compartilhar no Yahoo Compartilhar no Orkut Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook